terça-feira, 3 de janeiro de 2012

FIBROMIALGIA: VISÃO KARDECISTA

FIBROMIALGIA: VISÃO KARDECISTA
João Francisco Marques Neto
Professor Titular de Reumatologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Coordenador do projeto EDUCOST ( Programa Nacional de Educação Continuada em Doenças Osteoarticulares e Osteometabólicas.

O síndrome da Fibromialgia caracteriza-se por dor muscular e tendinosa difusa crônica, indiferenciada, podendo variar desde uma simples sensação dolorosa até níveis insuportáveis, seja ao movimento, seja ainda em repouso. A dor sem ritmo, periodicidade, natureza ou forma de acometimento osteoarticular definidos, pode se manifestar por horas, até dias, meses ou permanentemente, em áreas diversas ou em pontos dolorosos de localização anatômica específica.
É enfermidade crônica que acomete homens e mulheres, de diversas idades, sem manifestações inflamatórias, não comprometendo as articulações e não causando deformidades. Manifestações não relacionadas à dor muscular são observadas na fibromialgia em mais de 50% dos casos. São as comorbidades como: síndrome de fadiga crônica, síndrome do intestino irritável, enxaqueca, síndrome das pernas inquietas, fenômeno de Raynaud, depressão, ansiedade, síndrome da apneia do sono e bexiga irritável, por exemplo.
A fibromialgia manifesta-se em qualquer idade, mas, sobretudo, entre os 40 e os 60 anos, talvez em decorrência da diminuição dos hormônios femininos na menopausa. Calcula-se que atinja 3% das mulheres e 0,5% dos homens adultos. Mas em torno de 25% dos casos referem apresentar esses sintomas desde a infância. Não há nenhuma evidência concreta de que possa ser transmitida nem se verifica maior prevalência em familiares.
O diagnóstico clínico se configura em presença de dor crônica difusa predominantemente muscular que pode ir de um leve incômodo até uma condição incapacitante, na forma de ardência, sensação de inchaço, pontada, rigidez e câimbra, por pelo menos três meses, identificada ao exame físico em pelo menos 11 pontos de 18 padronizados, principalmente em áreas de extensão.
Até o momento não existem exames complementares, sejam de laboratório, sejam de imagens, ou ainda neurofisiológicos, que confirmem o diagnóstico.
As causas e os mecanismo que provocam a fibromialgia não estão ainda suficientemente esclarecidos. Associa-se à fadiga crônica, distúrbios do sono, estados de humor depressivo, situações de sedentarismo ou inadequação social, familiar, profissional e queda na autoestima.
Destes conceitos o que mais tem contribuído para o tratamento da fibromialgia é o da necessidade de atividade física adequada. Esta, feita em ritmo moderado e com longa duração, eleva a capacidade respiratória (aeróbica), aumenta o tônus e a fôrça muscular. O exercício de baixo impacto reequilibra o sono, eleva a serotonina, produz endorfinas e somatostatina que melhoram o trofismo muscular, além de intervir positivamente na sensação de bem estar e ausência de dor.
Os pacientes fibromiálgicos parecem perder a capacidade de regular a sensibilidade dolorosa. A serotonina que modula a sensação de dor pode estar diminuída nesses pacientes.
Muitos dos impulsos que chegam e saem do cérebro podem ser erroneamente identificados como dor. E assim participar do cenário clínico da fibromialgia. Isto pode levar à especulação de que a dor da fibromialgia pode ser promovida ou estimulada por um mecanismos complexos, ainda não totalmernte esclarecidos, e por isso mesmo eventualmente sujeito a especulações sem evidências comprovadas.
A natureza ainda enigmática e ainda desprovida de evidências formais da progressão da fibromialgia pode permitir especulações que vão muito além dos conhecimentos cartesianos da medicina formal.
Isto tem permitido a discussão da conceitual fibromialgia dentro de uma visão espiritualista, na doutrina kardecista.
Nessa linha de abordagem podem se destacar :
- fibromialgia como um estado de depressão mascarada
- fibromialgia como condição patológica de uma consciência espiritual e rígida
- fibromialgia como dores da alma
- fibromialgia como dor decorrente de comprometimento espiritual nesta ou em vidas passadas
- fibromialgia como condição mórbida medianímica

Na tentativa de alinhavar todos esses aspectos, e dentro de uma visão kardecista, propõe-se as assertivas de Allan Kardec, no livro do Gênese, nas quais o espirito está para o corpo como as raízes para as plantas no solo. No ato da reencarnação o espírito se liga ao organismo físico do homem, com ele estabelecendo uma simbiose de absoluta integração. E assim compondo uma unidade funcional com relações biunívocas.
Esta concepção kardecista onde corpo humano e o espírito são entidades que se comunicam e interagem, compondo fases mutuamente atuantes, pode especulativamente justificar a ocorrência de dor de causa orgânica indeterminada.
Portanto a dor manifesta no organismo físico pode tanto ser causada por mecanismos orgânicos, físicos até perfeitamente descritos e corroborados por evidências formais do conhecimento médico, como também ser causada por mecanismos espirituais, subjetivos, ainda não formalmente justificados e reconhecidos consensualmente pela medicina formal.
Deste modo as dores da alma também podem ser interpretadas na intimidade kardecista como decorrentes de comprometimento espiritual em relação a culpas ou delitos cometidos em vidas passadas, dentro de uma compreensão de sintomas associados à expiação dessas culpas e delitos. A alma se pune através da dor.
A rigidez da alma, a não aceitação da possibilidade de erros, ou simplesmente o medo de errar novamente pode resultar em um mecanismo punitivo, determinando comprometimento orgânico e resultando em dor crônica.
E como fatos corroboradores desta teoria, destaquem-se as inúmeras situações onde as enfermidades começam a abranger além dos mecanismos físicos orgânicos cenários emocionais ou espirituais. Síndromes diversas começam a sofrer em sua evolução clínica a influência das condições espirituais. Ou estas funcionarem como agentes gatilho em algumas enfermidades crônicas, a exemplo do que frequentemente ocorre na deflagração ou fases de agravamento da artrite reumatóide, principalmente nas formas infanto juvenis.
Também na conceituação de alma e espírito ocorre uma identidade individual específica para cada ser humano, que não pode ser repetida, dado que cada indivíduo é um conjunto de condições orgânicas, funcionais e afetivas. A morte temporariamente interrompe o ciclo comportamental dessa unidade, contudo sem a extinguir, pois na natureza nada se perde, tudo se transforma. O que a própria física aceita como paradigma proposto por Lavoisier.
Esta renovação contínua, através de transformações progressivas, é que propicia à sobrevivência do espírito em suas sucessivas reencarnações.
E nessa continuidade, apesar da extinção do corpo físico específico para cada reencarnação, pretende-se que as transformações renovadoras desse corpo físico em sucessivos planos existenciais possam ser acompanhadas de diferentes tipos de comprometimento espiritual assumidos em vidas passadas.
O que permite a identificação individual nas passagens por esses diferentes planos, é o reconhecimento de que algo deve permanecer imutável, de tal modo a preservar uma a consciência coletiva, esssencial para a determinação de uma ordem do universo e a aplicação de suas leis
Esses compromissos mantidos sempre inconscientemente podem marcar o componente espiritual do indivíduo, e assim de modo ainda não inteiramente reconhecido pela ciência médica comprometer a sensibilidade para diferentes fenômenos neuropsiquiátricos.
Na esteira dessa argumentação tem sido propostos diferentes procedimentos terapêuticos fundamentados em técnicas de regressão para vidas passadas, também não consensuais, contudo de aplicação universal.
Esse procedimento investigativo do inconsciente através de sessões de psicoterapia e de experiências regressivas apontam como de fundo emocional síndromes neuropsiquiátricas, em cujo cenário passado e presente se conjugam em um contexto multidimensional.
E nesta interpretação, queixas atuais como dor crônica, ansiedade, ardência plantar, parestesias sem causa determinada podem até estar relacionadas à experiências pregressas impregnadas de sofrimento e dor. Traumas psíquicos que se ampliam ou se repetem através de diferentes vidas.

Em 1861, Allan Kardec, no Livro dos Médiuns passou a ensinar como as manifestações espirituais através da mediunidade aproximavam o mundo material do imaterial, invisível e até então inacessível.
A partir daí a sensibilidade mediúnica, em verdade capacidade de recepção consciente ou inconsciente da energia espiritual latente, permitiu o reconhecimento da possibilidade do contacto do médium com entidades espirituais que trafegam através de diferentes encarnações.
Diferentes padrões de entidades se definem dentro da universalidade que compõe o espírito humano.
Assim esta mediunidade pode estar afeita a entidades obsessoras enfermiças, mas também com os mentores espirituais, dedicados à cura do espirito e da matéria.
No início dessa compreensão passou-se a entender, até erroneamente, que a loucura, na realidade a mudança de um padrão comportamental tido como normal em uma determinada cultura, poderia estar ligada ao assédio de entidades obsediadoras.
Estas geralmente procuram obsediados inconscientes que apresentam características morais e espirituais que se afinam com as dos obsidiadores.
Essa mesma relação mediúnica pode ser estendida a outras condições como síndrome do pânico, ansiedade crônica, estados depressivos e até a fibromialgia. Todas podem estar classificadas na visão kardecista como condições medianímicas, síndromes ectoplasmáticas, cujo substrato sofre a atuação de entidades que exercem influências negativas, quando não obsessoras.
O estudo da mediunidade, portanto, além da ampliação dos conhecimentos sobre essas condições mórbidas, pode se prestar também aos esforços destinados ao autoconhecimento, da autoaceitação e em decorrência da transformação moral.

Outra possibilidade de avaliação da dor crônica de origem indeterminada, abre-se dentro da doutrina kardecista sob forma de acomodação espiritual. Quando o espírito escolhe a dor crônica como instrumento de expiação ou até autopunição de faltas cometidas em vidas pregressas pode acontecer um estado de adinamia ou acomodação espiritual.
Neste, pode acontecer que o espírito, dentro de uma rigidez de personalidade, às raias do perfeccionismo, não queira se expor a erros semelhantes aos anteriormente perpetrados em outras existências ou até na atual. E aí a preferência em manter-se em uma condição estática, onde a presença de uma dor de origem indeterminada, refratária aos tratamentos médicos convencionais, pode constituir-se em uma alternativa cômoda e segura.
Impõe-se então nestes casos um esforço holístico para as tentativas de tratamento, através as quais se pretenda promover modificações de atitude nos pacientes, que possam de algum modo tentar reverter, através de sentidos inversos a atuação do componente orgânico sobre o estado de acomodação espiritual.
Em todas as religiões entende-se que a dor e o sofrimento promovem a escalada espiritual do homem e do espírito. A dor que consome a vida e sufoca a alma pode induzir a reações que conduzem o indivíduo a procurar níveis superiores, rumo à consciência coletiva.
Mas é a natureza de cada indivíduo que condiciona a sua reação à dor. Quem não possui nenhuma crença deixa-se tragar pelo turbilhão do destino que não consegue antever. Dependendo de sua essência interior pode dedicar-se ao crime ou às paixões que apenas conduzem ao retrocesso; ou contrariamente seguir rumo à luz, mediante a prática do amor ao próximo. Este amor conduz é afeito à criação divina, à consciência coletiva superior, promotora da ordem universal.
A partir desta dualidade comportamental considera-se o livre arbítrio de cada um, conduzindo à escolhas contrapostas, e, portanto destinadas a construir padrões de justiça. Que presumivelmente passam a se constituir em pilares do destino individual. A dor ensina, deixa suas marcas geralmente alinhadas com as escolhas de cada um.
Portanto é preciso considerar que todos estamos ou estaremos vulneráveis à dor espiritual, ou às dores da alma, que quase sempre refletem o merecimento individual, atrelado ao passado, e independentemente de nossas condições humanas, físicas, intelectuais ou sociais.
Na fibromialgia a evolução de uma dor refratária aos tratamentos convencionais faz supor que esteja relacionada à diversidade comportamental e à maior ou menor sensibilidade do espírito que anima o corpo físico, embora seja neste que a dor se manifeste.
Esta dor se insinua insidiosamente, adaptando-se dentro de nós a cada uma de nossas condições espirituais, como um estado inferior sobre o qual essas condições passam a atuar. Sensibilizando-a ou quantificando-a.
Isto explica porque no paciente fibromiálgico os fatores físicos acabam não se constituindo nos agentes mais impactantes, mas sim as condições afetivas e espirituais, tão relacionadas às leis do merecimento individual.

Leituras recomendadas
1. ALLAN KARDEC: O Livro dos Espiritos
2. ALLAN KARDEC: O Livro dos Mediuns
3. BERNIE S SIEGEL: Amor, medicina e milagres. Reio de Janeiro. Best Seller. 1989.
4. BRUCE H LIPTON: A biologia da crença. São Paulo. Butter Editora. 2007fly
5. CANDACE P PERT: Conexão mente-corpo-espírito. São Paulo. ProLibera Editora.2009.
6. DARIAN LEADER & DAVID CORFIELD: Por que as pessoas adoecem? Como a mente interfere no bem estar físico. Rio de Janeiro, Best Seller. 2010
7. DEEPAK CHOPRA: Ageless body, timeless mind. New York. Harmony books. 1993.
8. FLAVIO BASTOS – Fibromialgia, a dor emocional. flaviolgb@terra.com.br
9. JOSE HENRIQUE RUBIN DE CARVALHO: Conferência no Congresso Nacional da Associação Medico-Espírita do Brasil, Porto Alegre, 2009
10. JULIO DE MELOOO FILHO: Psicossomátioca hoje. Porto Alegre. Artes Médicas.1992.
11. MARIO BEAUREGARD & DENISE O´LEARY: O cérebro espiritual. Rio de Janeiro, Best Seller. 2010
12. http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/sindrome-do-panico-na-visao-espirita/#ixzz1hGvdHZkE
13. PIERRE RAINVILLE ET AL: Pain affect encoded in human anterior cingulate but not somatosensory córtex. Am J Psychiatry. 2000; 157:1279-84
14. PIETRO UBALDI: A Grande Sintese. 38.edição. Campo dos Goytacazes. Instituto Pietro Ubaldi.2010
15. RANDOLPH C BYRD: Positive therapeutic effects of intercessory prayer in a coronary unit. Sout.Med.J. 1989 8(17):826-9
16. ROBERTO CREMA: Introdução à visão holistica. São Paulo.Summus. 1989.

32 comentários:

  1. Este texto é muito interessante, pois estou buscando respostas para esta enfermidade, principalmente vindo da visão Kardecista. Tenho fibromialgia há 10 anos e apenas no ano passado pude deixar de tomar o remédio manipulado com antidepressivo e relaxante muscular. Para tanto, foi necessário disciplina com atividade física, faço pilates, caminhada e ando de bike, voltei a fazer acupuntura e iniciei também tratamento homeopático. Além de assistência espiritial na Feesp. Estou bem melhor, só pelo fato de não tomar remédio forte, já me considero um vitoriosa, mas ainda busco muitas respostas dentro de mim mesma e do plano espiritual.

    Abs
    Rosana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veraluz Martimiano Berteli8 de julho de 2013 09:21

      Sofri durante 20 anos -Só fui ter sossego após uma Cirurgia Espiritual com Drº- Bezerra de Menezes em 13/09/2008 - Ele disse que minha doença era na alma.............
      Daquele momento p/cá, não tive mais aquelas dores horrível..........voltei á sentir vontade continuar vivendo.
      Hoje não tomo nenhum remédio de farmácia
      Tomei por 1 ano e 1/2 planta medicinal (cancerosa)indicada por Drº- Bezerra de Menezes - cada caso é um caso p/ mim foi uma Benção..............

      Excluir
    2. qUE PLANTA É ESSA, POIS NÃO AGUENTO MAIS ESSAS DORES Q ME ATRAPALHAM PRINCIPALMENTE NO TRABALHO.

      Excluir
    3. Tive fibromialgia por mais ou menos 1 ano. Isso mesmo tive, não tenho mais! Sou praticante da doutrina espirita a mais de dez anos, então fiz o tratamento espiritual, junto a ele peguei firme nas caminhadas, 6 dias na semana em ritmo acelerado. Com isso estou a mais de um ano sem sentir dores. Jesus em nossa vida e esforço próprio tudo se consegue.

      Excluir
    4. DR DANILO JULIO LUCCA - DIR AME-RIO. GOSTEI MUITO DO TEMA ABORDADO. ALÉM DE MÉDICO SOU ESPIRITA E MEDIUM DE CURA NO CELD . IREI FAZER UM ESTUDO NO CELD DIA 21-11-2017 - 3ª FEIRA AS 19:30 PELA AME-RIO - SALA 7

      Excluir
    5. DR DANILO JULIO LUCCA, pode me ajudar?
      Estou com muitas dores....

      Excluir
    6. Pode deixar um telefone pra contato?

      Excluir
  2. Também concorco, o texto é super interessante. Sofro dessa doença desde a infância, já não sei mais o que faço, não aguento mais tomar esses remédios. Não vejo melhora no meu caso. Não sei mais o que fazer... mais é importante ver o depoimento de outras pessoas que sofrem ou sofreram com isso como vc rosana. Parabéns e boa sorte!! vou tentar seguir o seu exmplo!
    abs
    Daguimar

    ResponderExcluir
  3. Como deixar esse padrão de vidas passadas?
    Gostaria de uma resposta.
    Obrigada
    Ane Coelho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://doutrinaespiritadigital.blogspot.com.br/2012/09/as-dores-da-alma-download-audio-livro.html

      Esse livro atesta a veracidade desse texto.
      É só se perdoar e entender que todos nós estamos em evolução.

      Excluir
  4. ACREDITO PIAMENTE EM TUDO QUE AQUI LI. É COMPLETAMENTE POSSIVEL REVERTER-MOS O QUADRO. Ñ É FACIL,MAS TEMOS QUE LUTAR. FIQUEI MUITO CONTENTE COM ESSE ESCLARECIMENTO. OBRIGADA.

    ResponderExcluir
  5. Acredito aliar o uso de medicamento, a psicoterapia e a terapia espírita juntas, com persistência e regularidade possa ser muito importante. Já tive depressão e TOC e agradeço muito a Deus pela possibilidade de ter feito esses três tratamentos e reconhecer meus pontos fracos e o que posso fazer para ter uma qualidade de vida. Que Jesus nos abençoe e nos guie nas melhores resoluções!

    ResponderExcluir
  6. Tenho fibromialgia e consegui avanços significativos com o tratamento espiritual, além de terapias como: Acumpuntura, Massagem, yoga, meditação e hidroterapia.

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho fibromialgia acho desde que nasci. Ainda muito pequena começaram as dores musculares que minha mãe pensava que era nos ossos. Aos doze anos minha mãe me levou a um ortopedista que tirou RAIO-X de todo meu corpo e disse a mamãe que eu não tinha nada e que isso era coisa da minha cabeça. Sofri muito, pois as dores são constantes e intensas Há dois anos me consultei com uma reumatologista que diagnosticou a fibromialgia. Prescreveu remédio de manipulação, ´cujo tratamento dura trinta dias. A dor diminui muito, mas não acaba e quando termina os comprimidos, as dores votam com muita intensidade. O que eu faço?

    ResponderExcluir
  8. A Fibromialgia e a Sindrome da Fadiga Crônica , são dois bons exemplos de doenças que podem ter suas etiologias ( causa da doença) ligadas aos fatores do espirito.

    ResponderExcluir
  9. Não aguentando tanta dor, estou sem dormir a 2 noite, sensibilidade a flor da pele.não dá fácil...

    ResponderExcluir
  10. Convivo com a fibromialgia e estudo a espiritualidade, sinto que estou sendo testada dos os dia por causa da minha fé, mais sei que Deus está comigo e não desistireis.

    ResponderExcluir
  11. Tenho fibromialgia há mais de trinta anos. Vivo com muita dor, depressão e principalmente fadiga. É muito triste passar por isto a vida toda sem ter nada que melhores. Quase morri de dor ontem e fiquei com exaustão extrema. Pensei que iria morrer. Vou procurar ouvir a todos.

    ResponderExcluir
  12. Tenho fibromialgia há mais de trinta anos. Vivo com muita dor, depressão e principalmente fadiga. É muito triste passar por isto a vida toda sem ter nada que melhores. Quase morri de dor ontem e fiquei com exaustão extrema. Pensei que iria morrer. Vou procurar ouvir a todos.

    ResponderExcluir
  13. Fiz yoga por muito anos e no relaxamento final, comecei a ter uma visão que me deixava alucinada. Eu era cocheira de uma carruagem e provoquei um acidente num precipício onde eu e mais 8 pessoas morreram. Será que meu subconsciente inventou isso ou a minha fibromialgia pode ter essa explicação?

    ResponderExcluir
  14. Olá pessoal,
    Também sofro muito com isto. Como seria se pudéssemos fazer um grupo de amigas fibromialgicas para uma consolar a outra nos piores momentos? Sei e sinto que é muito triste viver com isto. Tenho 64 anos e sofro desde os 29. Sinto muita dor, fadiga extrema, depressão e tenho medo de não conseguir trabalhar, pois preciso. Minha aposentadoria é um salário mínimo. Um abraço a todas, fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, já existe esse grupo no face, comissão de pessoas com fibromialgia

      Excluir
    2. Maria, já existe esse grupo no face, comissão de pessoas com fibromialgia

      Excluir
  15. Olá pessoal vou começar meu tratamento espiritual sei que é muito bom melhorei 80% por cento da minha depressarão foi atreves da doutrina espirita agora vou começar a batalha da fibromialgia e sei que com aforça de Jesus e dos anjos de luz vou vencer esta batalha também.se quiserem fazer um grupo aceito vai sr muito bom. moro em florianopolis. meu email jandyrafs@hotmail.com é só entrar em contato fiquem todos na paz de Jesus, que os anjos de luz ilumine a todos.

    ResponderExcluir
  16. Olá pessoal vou começar meu tratamento espiritual sei que é muito bom melhorei 80% por cento da minha depressarão foi atreves da doutrina espirita agora vou começar a batalha da fibromialgia e sei que com aforça de Jesus e dos anjos de luz vou vencer esta batalha também.se quiserem fazer um grupo aceito vai sr muito bom. moro em florianopolis. meu email jandyrafs@hotmail.com é só entrar em contato fiquem todos na paz de Jesus, que os anjos de luz ilumine a todos.

    ResponderExcluir
  17. Tenho dores há tantos anos que já nem sabia identificar. Junto delas sempre a depressão e exaustão extrema, parecendo falta de energia pra viver. Sou voluntária de REIKI há seis anos e quando aplico venho mais aliviada, porém estou com dores fortes e sem coragem pra seguir desde o mês passado quando sofri uma grande tristeza em sala de aula e em casa. Sou diagnosticada com síndrome do pânico, depressão e fibromialgia e os remédios somente não estão fazendo muito efeito como faziam antes, apesar de ser médium kardecista praticante. Ando muito negativa e isto está me fazendo mal. Sinto-me sugada na alma. Gostaria de fazer regressão pra encontrar algumas respostas e seguir em frente esta existência. Alguém pode me recomendar um profissional que faça regressão ?

    ResponderExcluir
  18. Sofri mais de dez anos sem diagnostico, a quase dois anos fui diagnosticada com fibromialgia, tomo medicamento antidepressivo para tratar a fibro e depressão que segundo o psiquiatra classificou como, depressão recorrente. As dores incomodam, mas o pior de todos os sintomas é essa sensação de que não tem força e o vazio que não é preenchido por nada. É como se faltasse um pedaço no meu peito, uma sensação sufocante, angustiante, uma mistura terrível de sentimentos destrutíveis.

    ResponderExcluir
  19. Tenho exatamente a sensação de dor a flor da pele, um beijo, um abraço é tão doloroso como uma pancada. Esta cada vez pior, tenho desde criança, conheci a denominação da fibromialgia há 3 anos, mesmo assim os remédios apenas ajudam a suportar pois as dores não sessão. Luto diariamente com a fadiga e na maioria das vezes eu perco. Estou em uma fase de isolamento social, as pessoas não entendem, mas tudo bem elas não sabem de nada mesmo kkkkk.
    No texto fala se de auto punição, confesso que sou muito exigente comigo mesma e já sofri alguns traumas, acredito sim que pode ser uma dor da alma. Meus pensamentos são mais negativos do que positivos e tento não deixar eles me consumirem. Apesar de tudo eu amo viver, amo minha família e quero ficar velinha e feliz. Vou buscar aprender mais com as leituras indicadas, fico feliz de saber que não sou única no mundo assim, ao menos vocês sabem o que eu sinto, sou julgada como frágil,mimada, o que eles não sabem é o quanto somos fortes em aguentar isso todos os dias das nossas vidas. Obrigada por compartilhar suas vidas e ouvir um pouco da minha história.

    ResponderExcluir
  20. Como fibromialgica e terapeuta holística, um floral em função do texto seria indicado.
    Uso interno crab Apple para (limpeza das toxinas)
    Rock water (quebra da rigidez)
    Pine (liberação das culpas)
    Honeysuckle (limpeza do passado)
    Impatiens (ansiolítico)
    Gentian(antidepressivo)

    30ml em 20%brandy
    Tomar 4 gotas 4 x ao dia

    ResponderExcluir
  21. Também tenho fibromialgia há anos , doe o corpo todo e tbm tenho fadiga crônica , acredito ser dores da alma como autopunição do passado vou tentar homeopatia.

    ResponderExcluir
  22. Sinto muitas dores no corpo todo já fiz varias tipos de exames e nada consta pode ser fiblomalgia tomo atidepressivo que e fruoxetina mas não está aliviando alguém sabe de algum remédio que possa me indicar desde de já lhe agradeço

    ResponderExcluir